Seguir @copag_oficial

Blog Pokémon TCG da Copag

Exibindo a categoria Dicas para montar o seu deck

Bronzong: um deck para surpreender seus oponentes

Por Edgar Shinagawa

Olá, pessoal! Os Cities já estão acontecendo mundo afora, inclusive aqui no Brasil. O metagame vem se desenvolvendo em torno de alguns decks principais, como Donphan, Yveltal/Manectric, Virizion/Genesect, tendo alguns outros decks marcando presença.

Hoje vou falar sobre o deck de Bronzong, que inicialmente todos pensaram ser desequilibrado pela aceleração de energia em Estágio 1, assim como era o Eelektrik da coleção BW Vitórias Nobres. Entretanto, ao contrário da enguia elétrica, Bronzong não tem parceiros tão bons quanto Rayquaza-EX, Raikou-EX ou Zekrom, o que diminui bastante o poder de fogo do deck. Mas não se deixe enganar: com habilidade e um pouco de sorte, é possível surpreender o oponente. Vamos à lista!

 

Pokémon (15):
4x Bronzor (XY Phantom Forces)
4x Bronzong (XY Phanton Forces)
3x Dialga-EX (XY Phantom Forces)
1x Aegislash-EX (XY Phantom Forces)
1x Cobalion-EX (BW Tempestade de Plasma)
1x Cobalion (BW Legendary Treasures)
1x Keldeo-EX (BW Fronteiras Cruzadas)

Trainer (32):
4x Professor Sycamore
4x N
2x Colress
2x Lysandre
3x Fan Club Pokémon (Fã-clube Pokémon)
3x VS Seeker
4x Ultra Ball (Ultra Bola)
3x Float Stone (Pedra Flutuante)
2x Battle Compressor
3x Muscle Band (Faixa Musculosa)
2x Steel Shelter
1x Dowsing Machine (Máquina de Prospecção)
2x Hypnotoxic Laser (Laser Hipnotóxico)

Energy (13):
4x DCE (Dupla Incolor)
7x Metal

Total = 60 cartas


Estratégia

 

O objetivo do deck é energizar seus Pokémon com a habilidade do Bronzong. Dialga-EX é seu atacante principal, que com uma Muscle Band e Laser, consegue chegar nos 180 de dano para nocautear todos os EX do formato, exceto os Mega.

Ambos os Cobalion servem de atacantes secundários. Já Aegislash-EX não somente garante uma vitória praticamente certa contra Donphan, como atrapalha demais qualquer deck que use energias especiais.

Como contrapartida, o deck não tem opções de jogo contra Pyroar, já que conta com somente um Cobalion-EX.

Contra Garbodor, a lista acima não tem chances. Você pode adicionar Xerosic/Megafone para auxiliar nesta partida.

 

Conclusão

 

O principal atrativo deste deck, para mim, é o Aegislash-EX e seu auto-win contra Donphan, que vem se saindo muito bem nos torneios. Além disso, Yveltal também pode ter um pouco de dificuldades se não utilizar Garbodor. Pyroar não vem aparecendo ultimamente, então pode ser uma boa aposta.

Também possui possibilidades de OHKO (nocaute em um golpe) em EX normais, o que vem sendo bastante importante em conjunto com Lysandre.

Bem, pessoal, é isso por hoje. Deixem suas dúvidas, críticas e sugestões aí nos comentários e até a próxima! ;)

6 comentários

Hammers, o irritante deck de Seismitoad

Por Edgar Shinagawa

Olá, pessoal! Neste último final de semana ocorreram Cities na cidade de Sorocaba e Campinas, onde atuei como juiz. Um jogador veio até mim e disse que estava usando uma lista minha publicada aqui no blog. Fiquei bastante feliz de poder estar ajudando jogadores novos. Porém, ele usava a minha lista de Donphan, que foi escrita logo no início do lançamento da coleção XY – Flash de Fogo. Na época, esse deck ainda estava começando a ser aprimorado pelos jogadores mundo afora, tendo sido bastante modificado desde então.

Portanto, fica a dica para o pessoal ficar de olho na data de publicação da lista. Tenham em mente que em um ou dois meses alguém pode ter tido alguma ideia para otimizar a lista, principalmente se houve lançamento de cartas novas.

Bem, hoje vou falar de um deck que tem suas raízes na coleção XY – Punhos Furiosos e que nesta temporada de City apareceu com um novo companheiro, Slurpuff. Com vocês, Hammers, o deck de Seismitoad:

 

Pokémon (10):
3x Seismitoad-EX (XY Punhos Furiosos)
3x Swirlix (XY)
3x Slurpuff (XY Phantom Forces)
1x Jirachi-EX (BW Explosão de Plasma)

Trainer (37):
4x Professor Sycamore/Juniper
2x N
1x Colress
2x Lysandre
3x Team Flare Grunt (Grunhido da Equipe Flare)
1x Lysandre Trumph Card
3x VS Seeker
2x Ultra Ball (Ultra Bola)
3x Muscle Band (Faixa Musculosa)
2x Virbank City Gym (Ginásio da Cidade de Virbank)
1x Computer Search (Pesquisa no Computador)
4x Crushing Hammer (Martelo Esmagador)
2x Enhanced Hammer (Martelo Avançado)
2x Head Ringer
1x Switch (Substituição)
4x Hypnotoxic Laser (Laser Hipnotóxico)

Energy (10):
4x DCE (Dupla Incolor)
6x Water (Água)

Total = 57 cartas

 

Estratégia

 

A estratégia do deck é fazer de tudo para atrapalhar o oponente e impedir que ele jogue. O atacante do deck é Seismitoad-EX, carta da qual eu já cansei de falar aqui.

Enquanto seu oponente é impedido de usar Itens, você dificulta mais ainda a vida dele removendo as energias (com Martelos e Team Flare Grunt), aumentando custo de ataques (Head Ringer) ou envenenando (Laser).

A grande diferença deste deck para sua versão antiga é a presença de Slurpuff, cuja habilidade permite que você compre uma carta extra no turno. Se ele estiver ativo, você compra duas. Assim, você consegue mais recursos no turno para atrapalhar seu oponente.

 

Opções de cartas

 

+1 Seismitoad-EX
Com 4 cópias você maximiza a chance de abrir com o Pokémon que você quer atacar.

+Reshiram
Reshiram é uma boa resposta contra Virizion/Genesect. Se o Virizion usar um Emerald Slash no Reshiram, basta uma DCE e Muscle Band para levar um Pokémon.

+Float Stone (Pedra Flutuante)
Quando um Seismitoad for nocauteado, é possível promover um Slurpuff com Float Stone para comprar uma carta adicional. E não é preciso se preocupar com seu oponente removendo as Tool, já que ele não pode usar Item.

+1 Xerosic
Xerosic é versátil: ótimo para tirar um Head Ringer/Jamming Net que seu oponente tenha conseguido colocar no Seismitoad antes de ser travado ou para tirar uma energia especial caso você não tenha Hammer. Mas seu melhor uso certamente é na mirror, removendo ou a DCE ou a Muscle Band do seu adversário.

+1 Swirlix
+1 Slurpuff
Comprar cartas nunca é demais. Uma linha 4-4 de Slurpuff certamente fará suas compras serem mais efetivas. O contra é que as chances de abrir com Swirlix são maiores.

-6 Water Energy
As energias de água servem para usar o segundo ataque de Seismitoad, bastante útil na mirror e para finalizar o jogo. Porém algumas pessoas optam por abdicar completamente de energias básicas para abrir espaço para outras cartas. É importante lembrar que, caso se opte por somente energias especiais, um único Aegislash-EX pode estragar todos os seus planos.

 

Sugestões

+1 Seismitoad
+1 Xerosic
+1 Float Stone

 

Conclusão

 

Se você gosta de irritar seus oponentes, este é seu deck. O fato de ser irritante jogar contra é um fator importante, já que este sentimento pode levar seu oponente a errar durante a partida.

Pyroar e Virizion/Genesect são complicados. A primeira porque a única forma de nocautear o leão é usando Laser. A segunda é devido à fraqueza. Entretanto, ambas são possíveis de ganhar, devido à enorme quantidade de cartas para remover energias e impedir que seu adversário ataque.

Mas os maiores algozes deste deck são aqueles que conseguem causar uma alta quantidade de dano com pouquíssimos recursos. Hawlucha e Mewtwo-EX são dois ótimos exemplos. Qualquer deck que use essas cartas vai dar um pouco de trabalho.

É isso por hoje, pessoal! Espero que tenham gostado. Deixem suas dúvidas, críticas e sugestões logo abaixo e até a semana que vem! ;)

1 comentário

Manectric/Black Kyurem: um deck cheio de vida!

Por Edgar Shinagawa

E aí, pessoal! :D

Para começar bem o ano de 2015, trago a vocês um dos decks que a coleção Phantom Forces nos trouxe: Manectric/Black Kyurem.

Para ser sincero, não sei se esta é a melhor opção para o formato atual, mas certamente seria minha escolha para disputar um torneio. Isto porque o deck traz de volta o Black Kyurem-EX ao formato competitivo, apesar de meu querido Blastoise ter ficado de fora desta.

Sem mais delongas, vamos à lista:

 

Pokémon (11):
4x Manectric-EX (XY Phantom Forces)
3x Mega Manectric-EX (XY Phantom Forces)
2x Black Kyurem-EX (BW Tempestade de Plasma)
1x Keldeo-EX (BW Fronteiras Cruzadas)
1x Kyurem (BW Congelamento de Plasma)

Trainer (33):
4x Professor Sycamore
4x N
2x Colress
2x Lysandre
2x Skyla
3x VS Seeker
4x Ultra Ball (Ultra Bola)
1x Professor’s Letter (Carta do Professor)
3x Manectric Spirit Link
3x Float Stone (Pedra Flutuante)
4x Battle Compressor
1x Computer Search (Pesquisa no Computador)

Energy (13):
6x Water (Água)
7x Lightning (Elétrica)

Total = 57 cartas

 

Estratégia

 

A estratégia do deck circunda o Mega Manectric-EX. Com os novos Spirit Link, é possível evoluir para Mega sem perder o turno. Este Pokémon é capaz de, por apenas duas energias, causar 110 de dano e ainda ligar duas energias básicas no descarte a um Pokémon no seu banco. Com 210 de vida, é capaz de sobreviver a um G-Booster sem Deoxys, sendo normalmente capaz de atacar duas vezes.

O alvo de energização normalmente deve ser o Black Kyurem-EX, capaz de causar 200 com o ataque Balista Negra – que, aliado ao uso de Lysandre, torna-se extremamente forte.

O deck possui uma alta quantidade de Battle Compressor para “limpar” o deck, jogando energias no descarte rapidamente. Com a alta contagem de VS Seeker, também existe a possibilidade de se “escolher” o Supporter a ser usado: basta usar Battle Compressor para descartá-lo e usar VS Seeker para pegar novamente. Esta mecânica é boa o suficiente para me fazer abrir mão do Jirachi-EX, apesar de ocupar bastante espaço no deck.

Keldeo-EX, junto à Float Stone (Pedra Flutuante), entra no deck para prover o recuo grátis ao Black Kyurem-EX, enquanto Kyurem é seu atacante não-EX contra Sigilyph, além de possibilitar o “7º prêmio”.

 

Opções

 

Tool Retriever/Xerosic
Com Head Ringer e Jamming Net no formato, ter ao menos uma forma de remover as Team Flare Tool é importante. Tool Retriever faz muito bem essa função, além de abrir a possibilidade de “rearranjo” das Tools. Por outro lado, Xerosic permite a escolha de descartar uma energia especial, além de ser reutilizável com VS Seeker.

Max Potion/AZ
Ambas tem como propósito remover os marcadores de dano de seu Pokémon, especialmente do Black Kyurem-EX. Particularmente eu prefiro AZ – que, por ser um Supporter, pode ser pego de volta com VS Seeker. Já Max Potion, por ser um Item, tem uso único e, se descartado no começo do jogo, não pode ser recuperado.

+1 VS Seeker
4 cópias? Sim, nos decks que rodam 4 Battle Compressor, eu gosto de usar 4 VS Seeker. Isso abre a possibilidade de ser fazer o “combo”, já mencionado acima, para pegar o Supporter desejado no deck. Além disso, permite que se use uma cópia de determinado Supporter que tem uso bastante situacional (como AZ, Iris, Xerosic).

+1 Keldeo-EX
Keldeo-EX serve mais para o recuo, mas também é um ótimo atacante especialmente contra Donphan e Landorus-EX. Ter uma cópia a mais te ajuda nestas partidas, além de minimizar a chance de você ser prejudicado pelas cartas dos prêmios.

Magnetic Storm
O deck não precisa de nenhum Stadium para funcionar bem. Mas no formato atual, quase todos os decks utilizam algum tipo de Stadium – e ter a possibilidade de tirar o que beneficia o oponente é sempre bom. Magnetic Storm é a carta mais neutra neste sentido, com o pequeno prejuízo de remover a resistência metálica do Manectric.

 

Sugestões

+1 Xerosic
+1 AZ
+1 VS Seeker

 

Conclusão

 

O deck é um dos poucos do formato a conseguir OHKO (nocaute em um golpe), o que o torna extremamente poderoso – principalmente com a chegada de VS Seeker para o uso de Lysandre nas horas mais necessárias, conseguindo bater de frente contra quase todos os decks. Entretanto, Donphan é uma partida bastante complicada, mesmo com o uso de Keldeo-EX e Kyurem.

Outra dor de cabeça é Sigilyph/Suicune, que te obriga a usar o Kyurem. Seismitoad pode atrapalhar um pouco, já que impede sua mecânica de Battle Compressor/VS Seeker, além de te impedir de ligar o Spirit Link.

E é isso por hoje, pessoal! Espero que tenham gostado. Deixem suas dúvidas, críticas e sugestões aí nos comentários e até a próxima! ;)

 

3 comentários

Gengar-EX, um deck flexível e venenoso

Por Edgar Shinagawa

Olá, pessoal! No último domingo (14/12) ocorreu o Regional de Curitiba, onde tive o prazer de ser o Head Judge. Foi uma ótima experiência e espero ter correspondido às expectativas de todos os presentes no evento.

Para a última estratégia de 2014, trago um dos novos decks que deram as caras nas últimas semanas. Ele é bastante análogo ao deck de Donphan e Palkia, com algumas vantagens e desvantagens. Com vocês, Gengar-EX!

 

Pokémon (6):
3x Gengar-EX (XY Phantom Forces)
1x Keldeo-EX (BW Legendary Treasures)
1x Wobbuffet (XY Phantom Forces)

Trainer (36):
4x Professor Sycamore
4x N
2x Colress
2x Lysandre
2x Skyla
1x Xerosic
1x Lysandre Trumph Card
4x Ultra Ball (Ultra Bola)
3x Float Stone (Pedra Flutuante)
4x Substitute Robot
2x VS Seeker
2x Virbank City Gym (Ginásio da Cidade de Virbank)
1x Escape Rope
1x Sacred Ash
1x Professor’s Letter (Carta do Professor)
1x Switch (Substituição)
1x Dowsing Machine (Máquina de Prospecção)

Energy (11):
4 x DCE (Dupla Incolor)
7 x Psychic (Psíquica)

Total = 53 cartas

 

Estratégia

 

A estratégia do deck consiste em usar o ataque Dark Corridor do Gengar-EX para causar 60 de dano, envenenando seu oponente e colocando algum outro Pokémon como seu ativo, deixando o Gengar-EX no seu banco. Basicamente a mesma estratégia do deck de Donphan e de Palkia.

Se repararem na lista, existem poucos Pokémon nela. Isto porque o deck é bastante aberto a mudanças e os espaços que estão abertos devem ser destinados a Pokémon que irão para a linha de frente após o Gengar-EX atacar.

 

Opções

 

Phantump e Trevenant
Atacar, deixar envenenado e impedir o uso de itens é bastante forte. A grande desvantagem de Trevenant é a fraqueza – Yveltal-EX consegue nocaute sem muitos problemas.

Pyroar/Sigilyph/Suicune
Os três Pokémon tem objetivos semelhantes: impedir o dano do oponente. Destes, o melhor que se encaixa no deck é Sigilyph, que também pode atacar se for necessário, além do custo de recuo mais baixo.

Denedee/Zekrom
A partida contra Yveltal é complicada. Gengar-EX tem fraqueza e tanto Denedee quanto Zekrom ajudam um pouco. Mas a ausência de Muscle Band/Silver Bangle baixa a eficácia destes Pokémon elétricos.

Wobbuffet
Wobbuffet é bom, tanto pela sua Ability quanto por seu ataque. Se usado com Dimension Valley, fica melhor ainda.

Snorlax/Dragalge
Ambos possuem a habilidade de impedir o recuo. Snorlax tem a vantagem de ser básico, mas Dragalge não precisa ser ativo, apesar de ser estágio 1.

Spiritomb
A partida contra Virizion/Genesect é bastante difícil, devido à habilidade do Virizion-EX de impedir o envenenamento. Spiritomb dá uma pequena ajuda, impedido que seu oponente ligue o G-Booster.

Dimension Valley
Já que o deck usa vários Pokémon Psíquicos, Dimension Valley ajuda, principalmente a usar o primeiro ataque do Gengar-EX de graça.

Mystery Energy
Outra opção para reduzir o custo de recuo de Pokémon psíquicos. O contra é o aumento no uso de martelos no metagame.

 

Conclusão

 

O deck é bastante flexível. A grande vantagem em relação a Donphan é a capacidade de envenenar, que com Virbank e Snorlax/Dragalge coloca o adversário em uma contagem regressiva. Além disso, não é necessário nenhum tipo de modificador, como Muscle Band, para aumentar o dano. Apesar do custo do ataque ser maior, o deck não é tão dependente de energias especiais quanto Donphan.

A principal desvantagem é que o atacante é um EX, que quando nocauteado permite que o adversário compre dois prêmios. A fraqueza contra Yveltal e a habilidade do Virizion-EX atrapalham bastante, sendo estas as piores partidas. O novo ginásio Steel Shelter também pode te dar dor de cabeça contra decks metálicos.

A escolha entre Donphan e Gengar deve ser feita baseada em escolhas pessoais. Ambos os decks têm suas vantagens e desvantagens. Entretanto, os resultados do Regional de Curitiba mostram que Donphan está na preferência de muitos, já que, dos 8 finalistas, 3 eram Donphan – e, no final, deu elefante contra elefante!

É isso aí, pessoal, espero que tenham gostado! Semana que vem tem post especial com uma análise do que rolou no mundo do Pokémon TCG em 2014. Até lá! :D

4 comentários

Yveltal/Manectric: jogando com um dos tops do formato

Por Edgar Shinagawa

Olá, pessoal! No último dia 30, o primeiro torneio em terras brasileiras a usar a coleção Phantom Forces ocorreu em Fortaleza. Como esperado, alguns decks novos deram as caras – mas os decks mais antigos apareceram repaginados, com cartas-recém lançadas.

E foi assim que Bruno Oliveira chegou à final do Regional de Fortaleza, deixando o título escapar por muito pouco para o Rodrigo Alyson, que pilotava um Virizion/Genesect. O report do campeão pode ser visto aqui, enquanto o do vice está aqui.

Além disso, no Regional de Goiânia realizado no último dia 7, tanto o campeão Gabriel Semedo quanto o vice-campeão Thales Andrade usaram variações de Yveltal/Manectric (as listas podem ser vistas aqui e aqui). E é justamente sobre esse deck, que parece ter caído no gosto dos brasileiros, que iremos falar hoje!

Confiram a seguir a lista exata que levou Bruno Oliveira ao segundo lugar em Fortaleza:

 

Pokémon (14):
3x Yveltal-EX (XY Base Set)
1x Darkrai-EX (BW Legendary Treasures)
3x Yveltal (XY Base Set)
1x Spiritomb (BW Legendary Treasures)
2x Manectric-EX (XY Phantom Forces)
2x Mega Manectric-EX (XY Phantom Forces)
2x Seismitoad-EX (XY Punhos Furiosos)

Trainer (33):
4x Professor Sycamore
4x N
2x Colress
2x Lysandre
1x Skyla
2x Switch (Substituição)
3x Hypnotoxic Laser (Laser Hipnotóxico)
2x Shadow Circle (Círculo das Sombras)
2x VS Seeker
4x Muscle Band (Faixa Musculosa)
4x Ultra Ball (Ultra Bola)
1x Professor’s Letter (Carta do Professor)
1x Manectric Spirit Link
1x Dowsing Machine (Máquina de Prospecção)

Energy (13):
3x DCE (Dupla Incolor)
7x Darkness (Escuridão)
3x Lightning (Elétrica)

Total = 60 cartas

 

Estratégia

 

Reproduzo aqui o trecho escrito pelo próprio Bruno sobre a escolha das cartas:

Decidi testar Yveltal/Darkrai e suas variações. Testei com Garbodor, Drifblim e puro, mas o que mais gostei foi com Manectric-EX e o Mega Manectric-EX, já que eles me ajudavam em mirror matchs, contra VG, Pyroar e até contra variações de Seismitoad-EX.

Resolvi não usar martelos ou Team Flare Tools, pois optei pelo uso de lasers com 2 Seismitoads-EX que me ajudariam contra decks como Donphan, Big Basics e alguns decks de evoluções. Conversando com meu amigo Marcos Muniz, optei pelo uso de Shadow Circle ao invés de Virbank, o que na frente fez a diferença. Acabei colocando 3 Yveltal-EX e 3 Yveltalzinhos, que é o melhor Pokémon do deck para se começar as partidas – já que, como uso 4 Ultra Balls, geralmente consigo descartar energias e atacar, energizando algum Pokémon no banco. Além disso, ele é a única salvação do deck contra Safeguard.

Geralmente usava 3 Muscle Band, o que se mostrava suficiente com o uso de Dowsing Machine, mas com a chegada das Team Flare Tools, optei por aumentar para 4, para que eu conseguisse descer rápido as Muscles protegendo meus Pokémon das Head Ringers do oponente. Contudo, a lista ainda tinha uma falha que era VG, porque mesmo com a ajuda do M Manectric ainda estava com alguma dificuldade contra esse deck (talvez Head Ringer me ajudasse). Decidi então colocar um Spiritomb que, além de segurar G Booster, ainda pode lhe salvar de uma mão ruim.”

Em resumo, a estratégia é basicamente a mesma em relação ao deck de Yveltal/Seismitoad, porém contando com o Manectric e seu Mega, ajudando contra Yveltal e Pyroar, além de ser outra opção de aceleração de energia.

 

Opções

 

Tanto Gabriel Semedo quanto Thales Andrade utilizaram algumas cartas diferentes da lista do Bruno. Algumas me agradaram bastante, enquanto outras, à primeira vista, não me parecem ser tão efetivas. De qualquer forma, tenho certeza que as escolhas de cada um foram embasadas em muito treino, não sendo em hipótese alguma escolhas ruins:

Jirachi-EX (Thales)
Quem me acompanha sabe que eu gosto bastante de Jirachi-EX. Com Spiritomb, uma boa linha de Supporters e VS Seeker, tenho certeza da consistência do deck do Thales.

Energy Switch (Thales e Gabriel)
Também é outra carta que eu gosto de usar em variações de Yveltal. Permite que você coloque aquela energia a mais para fechar o dano para o nocaute.

Hardy Charm (Gabriel)
Provavelmente uma carta para melhorar a partida contra lutadores, especialmente Donphan. Ligado aos Yveltal, a redução passa a ser de -40, o que garante uma boa sobrevivência nestas matchups.

Max Potion (Gabriel)
Conhecendo o Semedo, não é de me espantar. Ele sempre foi fã de usar uma cópia desta carta em seus decks, anulando o dano causado pelo oponente. Certamente é uma carta que garante vitórias em jogos apertados, mas particularmente não gosto de cópias únicas em meus decks.

Zapdos – BW Legendary Treasures (Gabriel)
Certamente a carta mais “estranha” a ser inclusa neste tipo de deck. O custo de energia pode ser pago com várias incolores. Com certeza isso foi um fator importante na inclusão da carta no deck. Não sei exatamente qual era a intenção de Semedo, mas que foi uma surpresa e tanto para os seus oponentes, disso eu tenho certeza.

É importante notar que, diferente de Fortaleza, os decks de Goiânia abdicaram de Shadow Circle e Laser, em prol de outras escolhas. Como podem ver, o deck é bastante aberto a mudanças.

 

Conclusão

 

Pelos resultados de Goiânia e Fortaleza, é seguro dizer que Yveltal/Manectric é um dos decks top do formato. Se é o melhor, só o tempo poderá nos dizer.

Como o Bruno Oliveira disse, é um deck que consegue bater de frente contra tudo. Possui algumas partidas complicadas, como Virizion/Genesect (principalmente sem Spiritomb), mas não possui nenhum tipo de auto-loss. Com certeza é uma ótima escolha para os torneios.

Ah, e falando em torneios, semana que vem é a vez de Curitiba. Nos vemos por lá! :)

E vou ficando por aqui. Espero que tenham gostado das dicas e até a próxima!

 

10 comentários