agosto 21, 2019 -

Olá, pessoal! Jhon mais uma vez aqui no blog! E nosso assunto da vez nada mais é do que o Pokémon Worlds Championships, que rolou em Washington DC durante os dias 16, 17 e 18 de agosto. Como a maioria já sabe, o campeonato Mundial é o único da temporada que não é aberto a qualquer jogador, mas apenas àqueles que conseguiram seu convite através do CPs (Championship Points) acumulados durante um ano inteiro e, por esta característica, não é difícil concluirmos que este é um torneio de altíssimo nível.

A grande novidade, como já mencionei no artigo anterior, ficou por conta da rotação pré-Mundial (antes só ocorria após este torneio) e do lançamento da coleção Sol & Lua 11 – Sintonia Mental, sendo este o primeiro torneio em que ela passaria a ser válida. Jogadores de todo o mundo tiveram a oportunidade de revelar suas ideias e os resultados de tantos treinos.

Dia 1 – Surpresas estremeceram o palco do Worlds

 

O primeiro dia de competições foi bastante agitado. Muitas fotos foram postadas nos principais grupos do Facebook na véspera e nos primeiros momentos do Mundial. A maioria dos jogadores parecia ter escolhido os baralhos que todos previam (que aliás mencionei no artigo anterior): Pikachu & Zekrom, Reshizard da Green e variantes de Malamar. Curiosamente, o deck de Reshiram & Charizard também apareceu com sua build principal pré-rotação, utilizando Pokémon como Dedenne-GX, Jirachi (TEU-99), Heatran-GX, entre outros Pokémon.

Mas o destaque principal do primeiro dia de competições do Mundial ficou para o deck de Beheeyem pilotado pelo jogador Hampus Eriksson‎. O deck chamou a atenção de todos por conseguir passar pelo primeiro dia sem derrotas ou empates, conseguindo um score de 6-0-0. Eis a lista do dia 2 (o jogador realizou algumas alterações que julgou necessárias).

Pokémon – 21

3 Pidgey TEU 121
3 Pidgeotto TEU 123
4 Elgyem UNM 90
4 Beheeyem UNM 91
2 Alolan Vulpix LOT 53
2 Alolan Ninetales TEU 111
2 Goomy FLI 91
1 Ditto ♢ LOT 154

Treinadores – 35

3 Aula do Professor Elm
1 Santuário da Punição
1 Cidade Nevasca
4 Cíntia
2 Tate & Liza
2 Lilian
1 Imitadora
4 Pokegear 3.0
4 Bicicleta Acro
4 Prancha de Retorno
4 Comunicação Pokémon
3 Tesouro Misterioso
1 Carimbo de Recomposição

Energia – 4

4 Energia de Aceleração Tripla

A estratégia do deck é bem simples: inicialmente você deve fazer o setup do jogo preparando dois atacantes, pelo menos um Pidgeotto e uma Ninetales com Prancha de Retorno. A partir disso, basta atacar com o Beheeyem, deixando seu oponente sem poder usar itens no próximo turno e retornando o Beheeyem e todas as cartas (incluindo a energia!) de volta para o deck. Em seguida, basta deixar Ninetales como seu Pokémon ativo devido à sua habilidade, que previne danos causados a ela por Pokémon-GX. Preso e provavelmente não causando dano a seu Pokémon, seu oponente não conseguirá responder, pois não poderá nem usar Pegador Personalizado para trocar seu Pokémon ativo. Desta forma, basta realizar este loop até o fim da partida com a ajuda da habilidade dos Pidgeotto em campo, olhando duas cartas do topo, colocando uma em sua mão e devolvendo a outra para o baralho. Apesar de simples, a estratégia deu muito certo no primeiro dia, pois muitos baralhos não possuem respostas à habilidade da Ninetales, por terem apenas Pokémon-GX como atacantes.

Outro destaque interessante do primeiro dia é o deck de Keldeo Vaporeon pilotado pelo jogador Peter Kica. Em meio a tantos decks de fogo e focados em Pokémon-GX, Keldeo se mostrou uma boa resposta durante boa parte do primeiro dia tanto por seu tipo quanto por sua habilidade exatamente igual a da Ninetales mencionada acima. Infelizmente nas últimas rodadas o deck não teve um desempenho tão bom por permitir que o oponente consiga nocautes sem a necessidade de derrubar os Keldeo-GX.

 

Pokémon – 24

3 Keldeo-GX UNM 47
4 Eevee GX PR SM175
4 Vaporeon GX PR SM172
3 Bronzor TEU 100
3 Bronzong TEU 101
2 Munchlax UNM 173
2 Wobbuffet LOT 93
1 Marshadow UNB 81
1 Ditto ♢ LOT 154
1 Persian TEU 126

Treinadores – 30

4 Bola Estima
4 PokeGear 3.0
3 Comunicação Pokémon
4 Grande Poção
1 Boia de Substituição
2 Pilar Celeste
4 Resolução do Steven
3 Samina
2 Gardenia
1 Tate & Liza
1 Fábio
1 Armadilha do Koga

Energias – 6

4 Energia Unitária (GFA)
1 Energia de Água
1 Energia de Grama

A proposta do deck é manter Keldeo-GX vivo utilizando as habilidades dos Vaporeon-GX no banco. O deck é bastante lento na energização e por isso necessita de curas para ganhar tempo a ponto de começar a atacar. Diversas cartas possuem essa função: Bronzong como Pokémon ativo não receberá danos de ataques de Pokémon de fogo. Gardenia está presente no deck para combar com a Energia Unitária, permitindo que o Pokémon tenha 80 pontos de dano curado. Wobbuffet ajuda a prevenir ataques de Pokémon Estrela Prisma, como Darkrai e Tapu Koko, além de impedir suas habilidades. O ponto fraco do deck é sua lentidão e o estádio Usina Elétrica. Para isso, Marshadow entra na lista representando uma maneira “buscável” de remoção de estádio para diminuir esta desvantagem.

Para finalizar, um deck bastante presente no primeiro e segundo dia do Mundial foi Gardevoir & Sylveon-GX. Boa parte dos jogadores japoneses trouxe este deck para o torneio, o que é algo surpreendente em um metagame cheio de Pokémon com ataques colossais, além da queda do card Acerola. Ainda assim, alguns conseguiram passar para o dia 2 e mantiveram o deck. A ideia permanece a mesma pré-rotação: abusar do card Desbravamento da Green enquanto energiza e ataca seu oponente, tentando manter ao máximo suas Gardevoir & Sylveon-GX firmes no confronto.

Dia 2 – Pidgeottos por toda parte!

 

O primeiro dia do Mundial já havia apresentado várias surpresas, mas uma ainda maior estava por vir. Os maiores nomes do Pokémon TCG agora disputariam o título de Campeão Mundial 2019 e é claro que alguma ideia inovadora surgiria. Desta vez, o deck mais distinto a aparecer no dia 2 foi o deck de Pidgeotto Control, pilotado por diversos jogadores americanos famosos. Boa parte não conseguiu ir muito longe, sofrendo derrotas logo no começo, mas vários também chegaram perto do top 8, sendo um deles capaz de conseguir uma vaga no top do mais competitivo torneio do ano.

Pokémon – 18

2 Articuno-GX CES 31
4 Oranguru UPR 114
4 Pidgeotto TEU 123
4 Pidgey TEU 121
2 Girafarig LOT 94
1 Ditto ◇ LOT 154
1 Mew UNB 76

Treinadores – 38

4 Aula do Professor Elm
2 Cíntia
2 Estratégia do Tenente Surge
2 Marte
2 Tate & Liza
1 Valentia do Brock
2 Usina Elétrica
4 Bicicleta Acro
4 Martelo Esmagador
4 Pokégear 3.0
3 Pegador Personalizado
2 Machadinha de Gelo
2 Pal Pad
2 Comunicação Pokémon
2 Carimbo de Recomposição

Energia – 4

3 Energia de Água
1 Energia de Reciclagem

De todos os decks, este talvez seja o mais complexo em termos estratégicos. Resumidamente, a estratégia do deck é controlar o oponente removendo seus recursos, principalmente energias. Para isso, os cards Martelo Esmagador, Girafarig e Articuno-GX entram no baralho. Ainda no quesito controle, o deck consegue manipular o topo do oponente com o card Machadinha de Gelo, desfazer-se de cards da mão com Marte, além de prender o ativo do oponente com os Pegadores. Tudo isso é permitido pela constante compra de cards por meio das habilidades dos Pidgeotto e a reciclagem realizada pelo ataque do Oranguru. Apesar de muito bem montado e inovador, o deck se mostrou menos consistente que o necessário, não colaborando como esperado pelos grandes nomes que o pilotavam durante o segundo dia do Mundial.

Após as rodadas do suíço e eliminatórias, o Top 8 do Mundial da categoria Masters terminou assim:

 

A grande maioria dos decks do top já era prevista neste formato, embora a versão do campeão Henry Brand seja bastante peculiar quando comparada às listas que os jogadores divulgavam na internet durante seus treinos (ninguém entrega o ouro, não é mesmo, rs?).

Na divisão Senior, Reshiram & Charizard-GX levaram o título, e na Júnior Pikachu & Zekrom-GX sagrou-se campeão. Todas as listas podem ser encontradas no site oficial da Pokémon.

Uma observação interessante: o deck de Malamar não teve uma performance tão boa quanto esperado no Mundial, principalmente no dia 2, porém vale lembrar que o DC Open aconteceu simultaneamente ao segundo dia do torneio, e as variantes de Malamar alcançaram relativo sucesso neste torneio. Outro deck que se mostrou tímido foi DarkBox, porém ainda há muito a se explorar em torno deste arquétipo.

E agora, qual é o próximo passo?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O metagame está longe de se considerar 100% estabelecido e ainda há muito espaço para inovar neste recente pós-rotação. O Mundial apenas nos deu uma direção de quais são os decks mais fortes agora e uma boa base de listas para estudos futuros. É possível observarmos que o plano dos desenvolvedores do jogo deu certo: destacar os Pokémon-GX, principalmente os Aliados, nesta nova etapa do nosso querido jogo de cartas.

Os League Cups estão começando aqui no Brasil, e a hora de colocar tudo que foi aprendido no Mundial é agora. Desejo a todos bons treinos e bons jogos. Vejo vocês nas mesas por ai!

Até a próxima!

 

Tag: , , ,