maio 20, 2015 -

Por Edgar Shinagawa

Olá, pessoal!

Este último final de semana ocorreram os dois primeiros Nacionais do mundo. O evento ocorreu em Stuttgart, na Alemanha. Este Nacional me pareceu um tanto quanto inusitado, pois o evento reúne o Nacional da Alemanha e Áustria, onde os jogadores de ambos os países jogam um único suíço e depois são separados no TOP CUT de acordo com o número de jogadores. Ao fim, na Master, houve TOP 8 para os alemães e TOP 4 para os austríacos. Infelizmente estes torneios não servem de base para o nosso, visto que o formato utilizado não englobava a coleção XY – Roaring Skies.

 

Prováveis decks do Nacional

É bastante difícil dizer qual é o melhor deck do momento ou qual deck tem a maior probabilidade de vencer, mas é possível ter uma ideia do que pode aparecer no torneio. E são contra esses decks que você tem que se preparar para não ser pego de surpresa. Outros devem aparecer em menores proporções, mas não devem ser negligenciados.

Por isso, hoje vou listar alguns destes decks, sua estratégia padrão e como você pode (e deve) fazer para aumentar suas chances de vitória ao encará-los. Vamos lá? 🙂

 

Mega Rayquaza (Incolor)

Falei dele na semana passada. Velocidade e alto dano são as suas características. Seu atacante principal é o M Rayquaza-EX – que, aliado à Ancient Trait (Δ Evolution), Mega Turbo e Shaymin-EX, é possível chegar ao dano de 240 logo no primeiro turno! 😮

Para enfrentá-lo, primeiro precisamos entender quais fatores permitem que ele seja um deck a ser temido:

  • Alto dano
  • Compra de várias cartas no turno
  • Mega evolução no primeiro turno
  • Energias incolores

Para o dano, o deck necessita de um banco cheio e, preferencialmente, Sky Field em campo. Portanto, uma alta contagem de Estádios e/ou o uso de Ninetails (XY – Conflito Primitivo) certamente minimiza o dano causado. Além disso, o uso de Pokémon com um alto HP aumentam as probabilidades de sobrevivência (Mega Evoluções, especialmente).

RayquazaUma vez que o deck confia boa parte de sua compra em Shaymin-EX, a utilização de cartas que bloqueiam as habilidades são bastante indicadas para vencer Rayquaza. Enquanto Silent Lab ajuda a economizar espaço no deck (já que, além de neutralizar Shaymin-EX também minimiza o dano do Rayquaza), Garbodor (BW – Legendary Treasures) e Wobbufet (XY – Força Fantasma) são mais confiáveis, visto que o deck de Rayquaza usa poucas cartas para remover estas ameaças. O uso de uma alta contagem de Lysandre e Pokémon não-EX capaz de nocautear o Shaymin-EX rapidamente também é uma estratégia que pode dar certo. Absol (XY – Congelamento de Plasma) é uma opção para isto.

Não existem muitas opções para impedir a evolução do adversário, exceto Spiritomb (XY – Força Fantasma), que não é muito efetivo. Certamente, a melhor forma de atrasar o jogador de Rayquaza é com o uso de Head Ringer, que impede ele de ligar o respectivo Spirit Link, atrasando um pouco seu jogo. Além disso, também aumenta o custo de ataque, o que pode fazer você ganhar mais tempo ainda.

Também é sempre bom explorar as fraquezas do adversário. No caso do Rayquaza, a fraqueza elétrica é bastante interessante, visto que temos Raichu (XY Base) e M Manectric-EX, ambos capazes de nocautear o dragão em apenas um golpe (a forma básica do Manectric-EX nocauteia Rayquaza em um golpe, desde que ele tenha uma Tool ligada). Porém, a carta Altaria (XY – Roaring Skies), além de remover a fraqueza dos Pokémon incolores, tem a Ancient Trait Δ Evolution, que minimiza os estragos causados pelos Pokémon elétricos.

Por último, como não existem bons atacantes não-EX para o deck de Rayquaza, o uso de uma ou duas cópias de Sigyliph (BW – Legendary Treasures), Suicune (BW – Explosão de Plasma) ou até mesmo Klinklang (BW – Tempestade de Plasma) para os metais pode ser de grande ajuda.

 

SeismitoadVariações de Seismitoad

Volto a mencionar que Seismitoad-EX continua sendo uma ótima opção para disputar o Nacional. Isto porque, apesar do dano relativamente baixo, as variações de Seismitoad conseguem atrasar o adversário de tal forma que é possível comprar os seis prêmios antes dele.

O uso de cartas de remoção de energias (Hammers, Xerosic, Team Flare Grunt), Laser, neutralização de habilidades (Garbodor e Silent Lab) e compra (Slurpuff, Shaymin-EX) tornam a partida contra estes decks algo extremamente chato e irritante.

A forma mais óbvia de não ter uma experiência completamente desagradável contra este deck é não confiar demais em Itens. Use uma quantidade conservadora de Supporter e Energias. Xerosic e ataques que causam status (confusão, dormir e paralisia) são opções para diminuir as chances de seu adversário manter o “lock”.

A utilização de Pokémon de grama também é uma opção. Embora Virizion/Genesect não tenha tanta força quanto antigamente, a partida relativamente fácil contra Seismitoad pode ser um bom motivo para arriscar o deck verde. Leafeon (BW – Congelamento de Plasma) causa uma quantidade absurda de dano no sapo por apenas uma energia incolor. Decks de Flareon são praticamente que obrigados a incluir pelo menos duas cópias.

Decks de metal também têm uma vantagem natural contra Seismitoad. Isto porque Aegislash-EX não toma dano de Pokémon com energia especial, o que obriga o jogador de Seismitoad a buscar as energias básicas do deck (se tiver). Aliado ao estádio Steel Shelter (que nega os efeitos do Laser) e Bronzong (que minimiza os danos causados pela remoção de energia), Aegislash-EX pode ganhar uma partida sozinho.

 

manectricmanectricManectricVariações de Manectric

Pareado com Yveltal e Seismitoad, mesmo com a popularidade de decks lutadores, Manectric conseguiu se manter no metagame. Isto porque os ataques, tanto da forma básica quanto da Mega evolução, são simplesmente bons demais para serem ignorados.

Com a provável ascensão de Rayquaza, Manectric tende a ficar ainda melhor. Mesmo a forma básica é capaz de nocautear o M Rayquaza-EX, uma vez que quase sempre haverá o Spirit Link ligado.

Para impedir que Manectric arruíne seu dia, use Head Ringer. Com o custo de 3 energias, fica bastante difícil de energizar para atacar. Também é preciso cuidado ao ligar Tool em seus Pokémon (que aumenta o dano causado pelo Manectric-EX), principalmente naqueles com fraqueza elétrica.

Pokémon lutadores também são bastante úteis contra Manectric, especialmente Hawlucha combinado com Silent Lab, que irá ignorar a habilidade da Hawlucha, passando a aplicar fraqueza e resistência nos ataques, além do bom e velho Landorus-EX.

 

FlareonFlareon e Night March

Estes dois decks têm como grande atrativo o preço. Em relação aos decks mencionados acima, o custo para aquisição das cartas destes decks é substancialmente menor. Não por isso, os decks são fracos.

A velocidade, alto dano e utilização de atacantes não-EX são os fatores que fazem destes ótimas opções para se usar no Nacional. Poucos são os decks que conseguem realizar uma troca de prêmios favorável – um deles é o Landorus/Crobat.

Enquanto Flareon consegue encaixar uma boa quantidade de Leafeon – o que torna a partida contra Seismitoad e Groudon muito mais fáceis –, Night March possui Joltik como atacante, cujo tipo elétrico bate na fraqueza de Rayquaza e Yveltal.

Uma vez que ambos os decks confiam bastante em itens, o uso de Seismitoad e Trevenant ajuda a desacelerar o jogo. Apenas tenha cuidado com os Leafeon! Danos no banco também são essenciais para promover nocautes múltiplos por turno, já que os Pokémon destes decks possuem pouco HP.

 

KlinklangMetal

O último deck desta lista é o de metal. Analisando os decks mencionados anteriormente, é possível ver que, exceto as variações de Manectric, todos os outros utilizam energias especiais, o que torna Aegislash-EX uma carta extremamente forte, obrigando o adversário a usar energias básicas ou Silent Lab.

É bom lembrar também da possibilidade de uso do Klinklang (BW – Tempestade de Plasma), que previne os dados causados por Pokémon-EX de seus oponentes a seus Pokémon metálicos. Além de Aegislash, Dialga-EX (XY – Força Fantasma) também dá dores de cabeça ao oponente, uma vez que seu ataque impede o adversário de atacar (obrigando-o a trocar de Pokémon).

A grande desvantagem é a fraqueza única a fogo. Um único Flareon com energias básicas faz um grande estrago. Além disso, é um deck que necessita de setup, o que pode vir a ser um problema contra decks mais rápidos.

 

Conclusão

Acredito que as ideias listadas acima serão as mais populares. Obviamente aparecerão jogadores pilotando decks de Yveltal, M Gardevoir, Virizion/Genesect, Donphan, etc, mas são muitos decks e é inviável discutir sobre todos aqui. Porém, não deixe de testar seu deck ao menos uma vez contra todos estes.

Também vale lembrar que em 2013, em meio a um metagame de Darkrai, Landorus e Blastoise, quatro jogadores surpreenderam ao usar o deck “Italiano”, todos chegando ao TOP 32, um ao TOP 4 e outro em segundo lugar. No ano passado, Alex Silva usou um deck inusitado de Trevenant/Flareon/Raichu, chegando também ao segundo lugar. Feitos como estes mostram que pensar além do óbvio traz ótimos frutos. Por isso, semana que vem irei comentar de cartas com potencial para serem usadas nestes tipos de decks, conhecidos como Rogues.

E é isso, galera! Espero que vocês tenham gostado das dicas. Qualquer dúvida, sugestão ou crítica pode ser colocada aí nos comentários. Até a próxima! 😉